segunda-feira, novembro 24, 2008

Joanne Woodward e Tennessee Williams

Joanne Woodward - A viúva de Paul Newman, que ele considerava a melhor actriz do Mundo é, não tenho dúvidas, se não a melhor, das melhores. Vi-a há poucos dias no filme realizado pelo seu marido em 1987, uma peça de Tennessee Williams - The Glass Menagerie - em que contracena com John Malkovich e Karen Allen e fiquei abismada com a sua interpretação. A peça, ou melhor, a história fala-nos de uma mãe super dominadora (Woodward) que não deixa "respirar" os seus filhos (Malkovich e Allen), ambos maiores de idade, que ainda vivem com ela, numa relação de sufoco e alguma dependência, embora aqui não seja claro quem depende mais de quem. O parco sustento da casa é assegurado pelo filho,na falta do pai que fugiu de casa há 16 anos. A filha, por timidez e complexos de inferioridade com origem numa pequena deficiência física (é coxa), não consegue uma de duas coisas que sua mãe espera que faça: Casar e arranjar marido que a sustente ou arranjar um emprego com a mesma finalidade. E tudo gira à volta disto e do domínio materno traduzido numa preocupação exacerbada sobre tudo o que lhes diz respeito. Como se pode imaginar, o papel da mãe é de uma força e de uma omnipresença colossais, que exige da sua intérprete um desempenho muito laborioso e intenso do ponto de vista emocional. Aliás, todas as personagens são possuidoras de uma intensidade dramática muito forte, debatendo-se entre o amor que têm pela mãe e o seu negativo pela castração psicológica que ela lhes provoca. Joanne Wooward, que recebeu em 1958 o Óscar da Academia de Hollywood, pelo seu desempenho em The Three Faces of Eve, que eu ainda não vi mas que fiquei com ansiosa por ver, parece-me ser perita em desenvolver e revelar o lado psicológico mais profundo das personagens que interpreta. Ela consegue percorrer, com naturalidade, todas as matizes possíveis de representação de personalidades complexas, atormentadas, demenciais. E o curioso é que quase se dispensaria a visualização da sua linguagem corporal. Bastaria filmar a facial.
Uma enorme actriz. Acho que ver este filme foi o clique para me recolocar na posição de espectadora voraz da 7ª.Arte, como quando tinha vinte anos e não perdia quase nada do que por aí chegava de mais interessante: Robert Altman, Roman Polanski, Marta Meszaros, Andrzej Wajda, Fellini, Truffaut, Ingmar Bergman, e nos meus trinta: Almodovar, Lynch, Mamet, Carpenter, e muitos outros. Tantos percursos mentais, tanto deslumbramento, tanto acrescento à minha vida. Pois é. O Cinema. Um dia farei uma digressão retroactiva e partilharei talvez algumas considerações sobre o assunto com quem por aqui passar. Sobre o filme que me fez redescobrir Joanne Woodward, há muito mais a dizer. O retrato muito presente do grande ausente, pendurado numa parede e reflectido no espelho da outra que com ela faz um ângulo de 90º. Ele, o marido e pai, continua a partilhar daquele dia-a-dia, mas sem assumir qualquer responsabilidade. O seu sorriso não engana - ele libertou-se daquela espécie de prisão. O retrato, ou melhor, a foto está cómica. É o sentido de humor de Paul Newman no seu pleno. A colecção de miniaturas de cristal que constitue o património pessoal e íntimo da filha, cavalinhos de entre os quais o unicórnio, por ser diferente, é o seu preferido, reflecte a fragilidade da sua relação com o Mundo. Aqui teria de se avaliar a recorrência deste tipo de densidade trágica nas personagens de Tennessee Williams que, no fundo, não é mais do que a encenação das nossas inquietudes, das nossas desilusões, dos nossos medos, do nosso resíduo pré-social. Apenas os homens desta peça se vão libertar, mas também eles sofrerão uma libertação frágil e terão momentos de queda livre no abismo doloroso do passado. Joanne Woodward e Paul Newman. É preciso que uma estrela se apague para que outra se revele mais intensa? Não neste caso!

7 comentários:

Paulo disse...

Como sabes, só vi a peça uma vez, representada no D. Maria, já há uns bons anos. Depois de ler esta tua apreciação, fiquei com uma vontade suprema de ir a correr procurar o filme. Com esses actores, Newman a realizar e Tennessee Williams a pairar, só pode ser muito bom.

CigarraJazz disse...

Gostaria que gostasses tanto como eu gostei. Não sei se há cá em DVD. Vou investigar e depois te direi ou vice versa ;)

Ana Oliveira disse...

Entrando sem licença...vinda da Day by Day...

Estava a tentar fazer a ligação estre a peça que vi no D. Maria e o filme,que não vi, e encontrei a resposta à duvida, ou melhor às duvidas, porque também fiquei com muita vontade de ver o filme.
Realmente, o autor, o realizador e a atriz, são uma mistura explosiva que só pode ter dado um filme de prender a respiração do principio ao fim.

Saindo com um abraço

Ana

Roberto Scardua disse...

Por onde andas Cigarra? Dê notícias, ok?

CigarraJazz disse...

Olá, Ana Oliveira, é um prazer vê-la por aqui. Também já andei pelos seus blogues e gostei de muito do que vi. Pois é, fiquei fan de Paul Newman realizador. Agora quero ver tudo o que fez.
Também gosto muito de teatro, mas ultimamente tenho ido muito pouco. Por muitas e nem sempre boas razões.
Um abraço e volte sempre.

CigarraJazz disse...

Roberto Scardua, eu ando por aqui e por aí. Tenho lido as suas coisas no Jazzseen, um blogue de Jazz e coisas boas da vida e acho que a sua participação se tornou imprescindível, em conjunto com o meu amigo Lester. Esse blogue está fabuloso! Parabéns!
Obrigada pela visita e vou ver se regresso à actividade...
Um abraço.

jordan shoes disse...

i think the archive you wirte is very good, but i think it will be better if you can say more..hehe,love your blog,,,